segunda-feira, 25 de maio de 2009

segunda-feira, 11 de maio de 2009

sexta-feira, 8 de maio de 2009

O que representa o aniversário de Israel?

Senador Marcelo Crivella - Jornal do Brasil 05-mai-2009

Deus, ao criar o homem, deu-lhe a responsabilidade de construir a paz. Jesus ensinou: "bem-aventurados os pacificadores". Construir no coração dos homens a paz é relembrar constantemente que todos nós devemos vencer a intolerância, a truculência e o ódio, para fazer prevalecer no mundo a justiça, a liberdade e os direitos sagrados da pessoa humana.

Hoje farei isso prestando homenagem a um povo escolhido para o extermínio e que estava na primeira fila do ódio do "Führer". A sua amaldiçoada cruz ariana foi o sinal oposto ao da cruz dos cristãos e ao da estrela de Davi.

Todos se lembram de quando se levantou o maior demagogo da História, que capitalizou a crise econômica para envenenar o povo alemão com as quimeras da vingança. Depois, com a censura à imprensa, o assassinato dos líderes políticos, a criminosa adesão do grande capital e a submissão das forças armadas, foi a mais desvairada e brutal marcha da insanidade.

Já se disse que é preciso relembrar, por mais doloroso que seja, o crime daqueles que, se considerando nação de senhores e raça superior, e defendendo, como dizia o insigne presidente Tancredo Neves, uma teoria zoológica para origem do homem, perverteram e enlouqueceram as massas, para cometer a mais abjeta das felonias, o mais odioso dos crimes: o genocídio da guerra e do racismo.

Relembremos também a revolta dos inocentes no gueto de Varsóvia. Meninos e meninas, velhinhos e velhinhas, que como Davi diante do Golias, tinham só uma funda para se defender. Hoje há no mundo outros guetos e outras "Varsóvias", e não faltam os que ostentam, arrogantes, as suas armas contra os indefesos, tal como na imagem fotográfica, produzida na oprobriosa "Praça do Embarque", de onde partiam os judeus para o extermínio no leste. A foto de um menino de cinco anos com as mãos levantadas e sob a mira do fuzil de um enfurecido soldado nazista. Seu olhar. Sua roupa maltrapilha. Indefeso. Que fim levou aquele menino? Terá sobrevivido à loucura do mundo em que viveu? Mas, qualquer que tenha sido o seu destino, o seu gesto não morreu. Nunca morrerá.

Aquela imagem será sempre um grão de remorso na consciência do mundo. Será sempre uma lágrima sentida, a correr dos olhos dos que, ao menos por um momento, por um átimo de tempo, sentirem o que sentiram os irmãos, os pais, a família daquele pequenino. Este ano celebramos os 61 anos da criação de Israel no dia 29 de abril. Este fato nos evoca a força da promessa da sobrevivência, do ressurgir das cinzas, a mesma que, em meio a dor e ao desespero, na fila das piras ensanguentadas do holocausto, cada um dos inocentes massacrados em Terezim, Treblinka, Auschiwitz, Birkenau, Lodz e Sachsenhausen, podia sentir na alma, quando conseguia forças para olhar para o céu.

Quando ouço as declarações de Ahmadinejad, com suas palavras escorrendo a baba envenenada do ódio contra o povo hebreu, me lembro daquele menino, do seu olhar, que só mostrava perplexidade, sem reação, impotente diante da agressão injusta. Um emblema da incompreensão dos inocentes diante do ódio e do racismo insano, que resultam da fúria cega das mentes possessas pelo arbítrio, o orgulho e a prepotência. Faço aqui um alerta aos democratas do Brasil.

Ao comemorarmos o aniversário de Israel, a vitória sobre o Holocausto, o ressurgir dos massacrados, o florescer do deserto, devemos fazer, em homenagem àquele menino, um voto de censura e de repúdio as palavras do presidente iraniano, que não representam as virtudes daquela nação milenar nem os interesses do seu povo, na sua imensa maioria humilde, trabalhador e ordeiro. Que seja consignado esse permanente alerta: não se pode descuidar do passado, ele sempre volta quando nos falta vigilância.

Marcelo Crivella SENADOR (PRB-RJ) 

segunda-feira, 4 de maio de 2009

ITAMARATY CONFIRMA - CANCELADA!!!

04/05/09 - 16h56 - Atualizado em 04/05/09 - 17h02
Presidente do Irã cancela visita ao Brasil, diz Itamaraty

Mahmoud Ahmadinejad alegou problemas internos para cancelar viagem.
Ele visitaria Venezuela e Equador também.

Jeferson Ribeiro

Do G1, em BrasíliaTamanho da letra

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, cancelou nesta segunda-feira (4) a viagem que faria ao Brasil nesta quarta-feira (6), segundo o Itamaraty. Esta seria a primeira vez que ele visitaria o Brasil.

Na manhã desta segunda-feira, a agência oficial iraniana de notícias (Irna) tinha informado em breve comunicado que o presidente do Irã não viria mais à América Latina. Na nota, não havia explicações sobre o que havia motivado o cancelamento.

O presidente do Irã enviou ao presidente Lula uma mensagem oral para informar os motivos do adiamento poucos minutos antes da entrevista coletiva do subsecretário geral de assuntos políticos do Ministério das Relações Exteriores, Roberto Jaguaribe, para detalhar a pauta do encontro.

Na mensagem, Ahmadinejad diz que "as relações entre os dois países entraram em fase de aceleração no sentido de incrementar a cooperação" e que gostaria de concretizar a visita, mas que pedia "à vossa excelência aceitar o adiamento da visita oficial para outra oportunidade, depois da eleição presidencial do Irã, cuja data será oportunamente definida pelas duas chancelarias."

Presidente Vou não Vou...

Guerra total de informação!

14h15 (hora de Brasília)

A vinda de Ahmadinejad ao Brasil se tornou uma confusa guerra de informações.

O Globo deu a notícia de que ele cancelou a viagem, sem dizer os motivos, indicando a fonte oficial do governo iraniano, a Agência IRNA, às 12h47. Em sua capa atualizada às 14h15 e notícia é mantida e ganhou maior destaque.

Já a Folha de São Paulo às 13h36 deu a notícia abaixo, de seu "enviado especial à Brasília" (título muito pouco convencional)... Nela, tal repórter confirma que houve o cancelamento mas que a embaixada do Irã dá a entender que não houve cancelamento e "os planos iniciais estão mantidos."

Mas em Teerã, onde Ahmadinejad está, a sua agência oficial de notíciais, mantém (no momento desta redação) a nota oficial abaixo, onde não só declara que a viagem a América Latina está cancelada, como dá os motivos, dizendo que o presidente vai para a Sìria. A IRNA está atualizada até o momento desta redação com diversas outras notícias dadas posteriormente, sem nenhuma volta atrás, como indicada pelo seu embaixador no Brasil.

Aproveitando este informe, a notícia mais importante da IRNA para hoje é um pronunciamento do porta-voz do Ministério das Realções Exteriores, Hassan Qashqavi, conclamando o mundo a tomar providências contra Israel pela "judaização e destruição dos locais sagrados muçulmanos" nos territórios ocupados... Sem lei de imprensa aqui e sem imprensa livre lá, o império da mentira vai esticando seus tentáculos...

Os palestinos destruiram todas as singogas de Gaza: leia-se Israel destruiu os locais sagrados do Islã em Gaza.

A Jordânia quando ocupou a Cisjordânia destruiu 57 sinagogas em Jerusalém Oriental e no resto do território que ocupou: leia-se Israel destruiu os locais sagrados do Islã na Cisjordânia. Na época a Jordânia chegou a pegar centenas de pedras tumulares milenares judaicas do cemitério do Monte das Oliveiras, para fazer calçamentos de suas unidades militares da área e caminhos calçados para as latrinas de seus soldados.

Quem foi sabe: em Tel-Aviv/Jaffa as mesquitas estão todas lá, bem como no resto de Israel...

Ahmadinejad cancela visita ao Brasil

Presidente iraniano cancela viagem à América Latina

Plantão | Publicada em 04/05/2009 às 12h47m
O Globo

TEERÃ - O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, cancelou nesta segunda-feira a viagem que faria nos próximos dias ao Brasil, Venezuela e Equador, segundo informou a agência local Irna. Os motivos do cancelamento não foram divulgados.

A chegada do mandatário ao Brasil, primeira escala de sua viagem pela América Latina, estava prevista para esta quarta-feira. No país, segundo havia informado o chanceler Manouchehr Mottaki, o Irã buscaria aprofundar a estrutura para uma relação baseada no respeito mútuo de interesses.

Ahmadinejad viajaria acompanhado de uma delegação composta por 110 pessoas e seu principal objetivo na Venezuela e Equador seria verificar acordos de cooperação nas áreas energética e econômica firmados com os governos locais.

Já a visita que o presidente fará amanhã à Síria, onde se reunirá com seu homólogo Bashar al-Assad, não foi alterada.

Nesta manhã, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Hassan Qashqavi, havia confirmado a viagem, explicando que o governo buscava "relações ativas com os países da América Latina nos setores de cultura, economia e política".

Na ocasião, Qashqavi, criticou as declarações da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que havia considerado "inquietantes" os vínculos de Teerã e da China com a região latino-americana.

- Eu não acho que no mundo de hoje, um mundo multipolar no qual estamos competindo pela atenção e relacionamento com, pelo menos, russos, chineses e iranianos, seja do nosso interesse virar as costas para países do nosso hemisfério - comentou Hillary na última sexta-feira.

A visita do presidente iraniano ao Brasil também havia gerado tensões, já que Ahmadinejad negou a existência do holocausto durante a na Conferência sobre Racismo da Organização das Nações Unidas (ONU) no último dia 20.

Na ocasião, o governo brasileiro criticou em nota oficial o discurso do mandatário, mas não retirou o convite da visita ao país, fato que fez com que Israel convocasse para consultas o embaixador do Brasil em Teerã, Pedro Motta.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorin, respondeu dizendo que o país desejava iniciar com o Irã "um diálogo franco, sem reservas e com liberdade para exprimir as suas divergências".

No domingo, centenas de pessoas protestaram no Rio de Janeiro e em São Paulo contra esta visita.

Nazistas presos por matar nazistas em Curitiba

Marcha da Vida Regional e Contra Ahmadinejad - Globonews

Contra Ahmadinejad no RJ e SP - Globonews