quinta-feira, 30 de abril de 2009

Judeus bebem sangue de árabes

TV Al Aqsa transmite peça de teatro do Hamas na Universidade de Gaza na Páscoa deste ano.

Neste domingo em Comunidade na TV

Neste domingo em Comunidade na TV agora com mais comodidade para você em dois horários no canal 14 da NET-RJ as 18h30 e reapresentação às 19h15. 

Não perca! Especiais sobre Moshe Dayan, Iom Hazikaron e Iom Haatzmaut com imagens históricas dos anos 1930 e 1940, o evento de Iom Hashoa do RJ na ARI, dois clips musicais atuais isralenses e a palavra da FIERJ em repúdio à presença de Ahmadinejad no Brasil.

ESPECIAL - HAMAS DIZ QUE JUDEUS BEBEM SANGUE DE ÁRABES E MUÇULMANOS NA TV AL AQSA DURANTE A PÁSCOA - IMAGENS EXCLUSIVAS.

Ato contra a presença de Ahmadinejad - RJ


Não é de hoje

Desde os primeiros pronunciamentos do atual presidente do Irã a FIERJ vem se posicionando contra sua decisão de varrer nossos 6 milhões de mortos da história e nossos 6 milhões de vivos da face da Terra. Ao longo destes anos usamos nosso programa de TV, o programa de rádio, esta midía digital e o Informe FIERJ. Não estamos começando agora com esse repúdio: é nossa política constante.

Nem o Irã está começando agora com o antissemitismo. Abaixo você tem uma matéria de meia página da Folha de São Paulo de 1987 que denunciava de forma contundente a atividade da embaixada do Irã no Brasil em publicar, aqui, em nosso país, e distribuir, os infames Protocolos dos Sádios de Sião. Você deve clicar na imagem para abrir uma maior, bem legível. 

Sete anos depois, era explodida a AMIA em Buenos Aires com mais de 80 mortos e 250 feridos no coração da capital argentina. O nosso país irmão processou e julgou todas as informações do ataque terrorista à AMIA e expediu várias ordens internacionais de prisão para ex-dirigentes e diplomatas iranianos que ainda estão a solta, sem responder pelos assassinatos covardes.

O Presidente Lula, colocou pelo Brasil a primeira assinatura no documento que instituiu o Dia Mundial de Recordação as Vítimas do Holocausto da ONU para 27 de janeiro junto com um pacote de recomendações aos países para que criem legislação de criminalização da negação do Holocuasto, como tramita no Congresso, proposta de pelo Deputado Federal Marcelo Itagiba. Desde então o Presidente Lula sempre participou das solenidades oficias no Brasil. Receber um revisionista do Holocausto que fala sobre isso com orgulho de chefe de estado não condiz com a posição defendida pelo Brasil.

A negação do Holocausto é crime em 13 países: Áustria, Bélgica, República Tcheca, França, Alemanha, Israel, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Polônia, Portugal, Romênia e Suiça. Em vários outros as leis estão tramitando, incluindo uma decisão da União Européia

Repúdio à visita de Ahmadinejad no Congresso

Discurso proferido pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) na tribuna do plenário da Câmara Federal no dia 29 de abril de 2009




Senhor Presidente,

Volto a esta tribuna para denunciar que o Governo brasileiro pretende aqui receber uma daquelas pessoas que são indesejáveis no mundo. Por que indesejável? Porque propugna o ódio, porque pretende negar um fato histórico conhecido e lamentável, um fato que afronta a Humanidade: pretende negar o Holocausto.

Portanto, a presença do Senhor Ahmadinejad em nosso País não pode ser vista com bons olhos. Mais de seis milhões de judeus pereceram. Não apenas judeus, mas também pessoas de outras denominações religiosas, ciganos e homossexuais foram perseguidos e aniquilados pela besta nazista.

Portanto, não posso compreender como é que o Governo brasileiro pretende receber em seu território mais esse criminoso, que nega uma das maiores atrocidades da história. Crianças, mulheres e homens vilmente assassinados, levados à câmara de gás, exterminados, única e exclusivamente, porque nasceram e respeitaram a religião de seus antepassados.

Não podemos permitir em nosso País, onde se respeitam os direitos humanos, a presença de alguém que pretende negar a existência do Holocausto. Não posso entender a atitude do Brasil de não ter se retirado daquela reunião em Genebra, quando todas as nações desenvolvidas deixaram aquele palco por não concordarem com as palavras do senhor Ahmadinejad.

Portanto, este País, e principalmente esta Casa de Leis, não pode receber a visita desse que, em muitos países, é considerado criminoso, porque é crime a negação do Holocausto, tanto na Alemanha, como na Espanha, em Portugal e na França.

Tenho projeto de lei nesse sentido, que espero ver votado antes da presença desse cidadão aqui em nosso País. Para tanto, preciso do concurso de todos os Congressistas e que o povo brasileiro vá às ruas demonstrar sua indignação com a presença desse facínora em nosso território.

Repúdio à visita de Ahmadinejad no Senado

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) lembrou, nesta quarta-feira (29), a comemoração dos 61 anos da criação do Estado de Israel e pediu que todos repudiem as palavras do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que disse querer a destruição daquele país.O senador também homenageou o povo judeu e disse que é preciso lembrar o Holocausto praticado por Hitler na 2ª Guerra Mundial.

Crivella mencionou a fotografia de um menino de cinco anos tirada na chamada "Praça do Embarque", de onde partiam os judeus para os campos de extermínio. Na foto, o menino está com as mãos levantadas e sob a mira de um fuzil empunhado por um soldado nazista, e se perguntou se ele sobreviveu àquela insanidade.

- Quando ouço as declarações de Ahmadinejad - as suas palavras envenenadas do ódio contra o povo hebreu - lembro-me daquele menino, do seu olhar, que só demonstrava perplexidade, sem reação, sem revidar a agressão, um símbolo da incompreensão que os inocentes demonstram diante desse ódio gratuito, do racismo insano, a que é capaz de chegar a fúria cega e histérica das mentes possessas pelo arbítrio e a prepotência - afirmou.

Da Redação / Agência Senado

quarta-feira, 29 de abril de 2009

PROTESTE CONTRA AHMADINEJAD NO BRASIL

DOMINGO É DIA DE PROTESTAR CONTRA A PRESENÇA DESTE ... NO BRASIL

MANIFESTAÇÃO NA PAULISTA
Em uma iniciativa da Juventude Judaica Organizada (JJO) — em parceria com grupos judaicos, evangélicos, homossexuais, bahais, de defesa dos direitos humanos e da mulher, com a participação de autoridades e políticos — será realizada, na Avenida Paulista, neste domingo, uma manifestação contra a vinda ao Brasil do presidente do Irã, Mahamud Ahmadinejad.
Um país democrático como o Brasil NÃO PODE receber um defensor do totalitarismo, da homofobia, do revisionismo histórico, da discriminação de mulheres e religiosa (bahais, evangélicos, judeus e outras minorias torturadas, massacradas e mortas no Irã) e da destruição de Israel.

DATA – 03 de maio, domingo
HORA - às 11h00
LOCAL DO ENCONTRO – Praça Marechal Cordeiro de Farias (Praça dos Arcos, na esquina da Avenida Angélica com a Avenida Paulista

quinta-feira, 23 de abril de 2009

MPF/MG pede indenização de R$ 50 mi a Oi por site Nazista

O Ministério Público Federal de Minas Gerais (MPF/MG) entrou com ação civil pública contra a Oi por danos morais coletivos.  O valor da indenização é de R$ 50 milhões.

De acordo com o MPF/MG, após investigações e quebra de sigilo telemático, apurou-se que, em agosto de 2006, um funcionário da empresa, que trabalha no município de Varginha, sul de Minas Gerais, criou uma comunidade no Orkut chamada Poder Nazista. Constatou-se também que a manutenção do conteúdo era feita no computador da empresa, durante horário de expediente.

A comunidade virtual, além de divulgar mensagens de apologia ao regime liderado por Hitler, também propagava xingamentos e ofensas a pessoas negras, incitando ao ódio e à discriminação racial.

A Justiça pediu informações à Oi para identificação e qualificação do funcionário. No entanto, a operadora ignorou a requisição judicial e, somente um ano depois, respondeu alegando ser impossível a identificação do funcionário devido ao "grande lapso de tempo" transcorrido.

Segundo o procurador da República e autor da ação, Marcelo Ferreira, "o mais grave é que o próprio autor do crime, munido do sentimento de desprezo às instituições, zomba e escarnece da Justiça como um todo, na medida em que permanecerá impune seu ato criminoso", diz.

Uma campanha a favor do uso de preservativos usa caricaturas de Hitler e Bin Laden como exemplo de nascimentos a evitar.

Uma campanha publicitária, na Alemanha, recorre a caricaturas de Mao Zedong, Adolf Hitler e Osama bin Laden. Está implicito no anúncio o intuito de promover o uso de preservativos para evitar o nascimento de filhos "indesejáveis".
A série de três anúncios para promover uma nova linha de preservativos para a "Doc Morris Pharmacies" não suporta nenhum texto, apenas usa caricaturas de três homens como espermatozóides. No sítio da empresa não foi possível apurar da veracidade da campanha, atribuída à Grey Worldwide
A mensagem do anúncio é evidente na imagem, observa o editor da Adweek, David Gianatasio: "Use um preservativo, e certefique-se que não vai trazer a mundo o próximo Osama bin Laden, Adolf Hitler ou Mao Zedong."
O anúncio tem gerado polémica entre os chineses, insatisfeitos por ver o líder histórico Mao Tse-Tung entre os filhos indesejáveis, Hitler e Osama bin Laden, o primeiro responsável pelo genocídio de milhões de judeus, e o segundo conhecido como o rosto do terrorismo.
Apesar de todos os defeitos, Mao continua a ser um herói nacional.  No site nacionalista chinês "Huanqiu Shibao" (Global Times), os comentadores descrevem acto de juntar Mao e Hitler como um "insulto à grande nação Han".
No ano passado, o fabricante de automóveis francês da Citreon teve de retirar e pedir desculpa por causa de um anúncio onde aparecia uma imagem digitalmente alterada de Mao depois dos protestos chineses.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Conib alerta governo brasileiro sobre ameaça representada pelo presidente do Irã

A Confederação Israelita do Brasil repudia veementemente o discurso feito nesta segunda-feira pelo presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que usou uma tribuna das Nações Unidas para atacar, de forma inaceitável, o Estado de Israel, criado em 1948 a partir de uma decisão da própria ONU. Com sua retórica beligerante, o dirigente iraniano evidenciou mais uma vez a face de um regime notório por suas ações para a desestabilização do Oriente Médio e pela sistemática violação de direitos humanos perpetrada pelo regime de Teerã.

Interessado em semear a intolerância, Mahmoud Ahmadinejad ignorou apelos do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que havia pedido ao presidente iraniano moderação em seu discurso. Há poucos dias, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também tinha sinalizado sua disposição em dialogar com Teerã, o que levou observadores mais otimistas a apostarem na possibilidade de o Irã responder a esses apelos com um novo rumo em sua relação com os países ocidentais.

Mahmoud Ahmadinejad, que já manifestou o desejo de "varrer Israel do mapa" e negou a existência do Holocausto, responde agora a ofertas de diálogo com mais intolerância e agressividade. Seu discurso na segunda-feira provocou a saída de dezenas de diplomatas, boa parte deles de países da União Européia, do recinto em Genebra onde se realizava a sessão da conferência da ONU.

O presidente do Irã, mais uma vez, voltou a provocar a comunidade internacional. Sua atuação não representa uma ameaça apenas a Israel, mas a todas as nações comprometidas com a democracia. No caso do programa nuclear iraniano, Teerã já ignora três rodadas de sanções aprovadas pelo Conselho de Segurança da ONU e leva adiante suas ambições atômicas.

É inaceitável o descaso com que o presidente do Irã trata uma instituição como a ONU e toda a comunidade internacional. Mahmoud Ahmadinejad despreza o diálogo e a democracia, dois ingredientes fundamentais para a busca da paz, da justiça e da segurança nos dias de hoje.

Acreditamos ainda que a visita de Ahmadinejad ao Brasil, prevista para maio, não responde aos interesses da construção da democracia em nosso país e tampouco envia a sinalização correta a um líder que, em vez de priorizar o diálogo, cultiva o confronto. Repudiamos a eventual presença de Ahmadinejad no solo de um país como o nosso, democrático e hospitaleiro, que acolheu tantos sobreviventes do Holocausto.

Esperamos que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com seu histórico de comprometimento com a democracia e com os direitos humanos, não permita que o presidente do Irã acredite ter um aliado em Brasília.

Claudio Lottenberg
Presidente da Confederação Israelita do Brasil

A FIERJ apóia integralmente todas as medidas centralizadas e coordenadas pela CONIB sobre está questão extremamente relevante para a Comunidade Judaica no Brasil

quarta-feira, 8 de abril de 2009

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Neste domingo em Comunidade na TV

Neste domingo em Comunidade na TV na CNT às 12h15, uma aula de Pessach com o Rabino Ilan, um documentário inédito sobre Birkat Hachama, uma oração judaica que acontece apenas a cada 28 anos e você terá tempo de ir na quarta-feira às 08h00 em vários pontos do Rio, além do clip oficial da Hagshama com a prefeitura de Tel Aviv, dando o início aos festejos de 100 anos da mais ativa cidade judaica do mundo. Musicais muito especiais: Shiri Maimon, legendada e Águas de Março em hebraico por grupo de cantores do exército de Israel.

E no Canal 14 da NET às 18h30, o programa agora tem uma hora de duração emendado com nossa sengunda parte em que oferecemos a você um pouco mais de uma segunda hora só de musicais judaicos. Não perca!